quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Pr´um amor distante, de novo... e de novo...

"E é no inconsciente da alma
Que essa saudade é despertada
E é apenas quando eu estou com a armadura aberta
Que ela implode dentro de mim
Deixando somente vestígios dos momentos sublimes
Os quais não possuo fotografias
Apenas guardo na memória."



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Pr´um amor distante...

"Ainda que fujas
Sei de fato
Que o amor que sinto
Está acima desses devaneios
do mundo moderno
E dessa necessidade constante
De impor o mando
e não o verbo".



À La Bradshaw Again

É um devaneio constante que me corrói e que me afasta de mim mesma.
É um amor que eu não consigo buscar explicação, nem dentro da minha alma.
Seria o amor mais uma jogada da vida pra me entristecer?
Ou seria esse amor a grande causa da minha futura felicidade?
Eis que a cada dia esse amor me consome ainda mais;
eis que uma simples brisa da tarde me aproxima de você;
e me devolve aquela sensação de lar que só tenho ao seu lado.
Faz falta, machuca, angustia mas não magoa, nunca, só me deixa perdida em meio a realidade e a ilusão. 
Porém, nem o amargo gosto da ilusão me afasta desse amor sublime. 
Te amo, ao meu modo. 
Meu doce menino.